EMÍLIO GOMES

1981

Nasceu a 1 de Maio de 1981 em Vila Nova de Gaia e reside no Porto.

Concluiu a licenciatura em Estudos Teatrais/Interpretação na ESMAE, em 2003, com média de 15 valores. Destaque para workshops e/ou produções com António Pires, Rogério de Carvalho, António Durães, Nuno Cardoso, Julio Castronuovo, Alan Richardson, Paula Simms e Jen Yates.

Funda, em 2001, com Nuno Loureiro a companhia Teatro Atípico com destaque para os espectáculos: “O público”“Logo hoje”, “Tudo o que as mulheres querem…”

Desde 2003 trabalha como actor na associação Usina, dedicada a espectáculos de debate teatral. Destacam-se os espectáculos . “Nem muito simples, nem demasiado complicado”, “(In)dependências”, “Macacos e pombos” e “O corpo é que paga”.

Foi actor residente do Teatro Oficina, primeiro entre 2003 e 2005, e depois entre 2008 e março de 2015, trabalhando com João Garcia Miguel, Marcos Barbosa, Jorge Andrade, Alberto Villareal, Cristina Carvalhal, Nuno M. Cardoso, Denis Bernard, Nuno Pino Custódio, João Pedro Vaz, Manuel Tur, Tiago Correia, João Henriques, entre outros. Destacam-se os espectáculos: “La vida es sonho”, “Círculo de transformação em espelho”, “A sala branca”, “Rei Lear”, “Capital e Cultura”, “O amor é um franco atirador”, “Gaspar”, “O silenciador”, “Sonho de uma noite de verão”, Macbeth”, “Rua Gagarin”, “Tragédia, uma tragédia”,“Médico à força” “O atraso de Gogot”.

É formador das Turmas de Iniciação Teatral do Teatro Oficina, dirigidas para a infância, adolescência e para adultos. É encenador, desde 2007, do grupo amador de teatro, Xisto, de Aguiar de Sousa.

Criador do projecto “Não fiques parado, actua” para a a Rota do Românico, dirigiu os grupos de Teatro escolares de Caíde de Rei, da Lixa e do Marco de Canavezes, em 2014.

Apresentador do Circo Coliseu do Porto em Dezembro de 2015. Em 2016, trabalhou como actor com os encenadores José Carretas, Renata Portas e Joana Moraes. Tem também pequenos trabalhos em cinema e figurações especiais.

TELEVISÃO

2017 – 4Play (RTP)

CINEMA

2012 – A Mesa Ferida, de Marcos Barbosa