CATARINA LACERDA

1981

Licenciada em Estudos Teatrais, distinguida com o prémio Eng.º António de Almeida, na Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo (ESMAE), em 2004.

Cofundou o Teatro do Frio (2005) e CulturDANÇA (2009), projetos onde, a par da pesquisa artística, desenvolve funções de codireção.

Enquanto atriz, colaborou e colabora com diversos encenadores e companhias: Nuno Carinhas (TNSJ), Nuno Cardoso (Ao Cabo Teatro), Gonçalo Amorim (TEP), Luís Miguel Cintra (Teatro da Cornucópia), Beatriz Batarda, João Pedro Vaz, Ewan Downie (Company of wolves),  Paula Maracajá (Coletivo em Silêncio), Igor Gandra (Teatro de Ferro) e Fernando Mora Ramos (Teatro da Rainha)

No Teatro Nacional S. João integrou o elenco de O Fim das Possibilidades (2015), de Casas Pardas (2012) e colabora regularmente, desde 2013, com o agora Centro Educativo.

No Teatro Nacional D. Maria II, participou no projecto 74 Eunices (2015), dirigiu a leitura encenada Incesto/Ciclo Poesia e Contos do Projeto TEIA (2009)  e integrou o elenco de Ego (2009).

Em cinema, destaca a colaboração com Pedro Filipe Marques, em “O Lugar que ocupas” e “Sal” (ambos 2016), com Tiago Guedes e Frederico Serra em “Noite Sangrenta” (2010) e “Acordar” (2001), com Carlos Amaral em “Longe do Éden” (2013) e “Intemporalidade” (2007) e com António Ferreira em “Deus não quis” (2007), com o qual recebeu o Best Acting Award – Cyprus Internacional Short Film Festival.

Concebeu e dirigiu artisticamente os espetáculos Sal (2015), Comer a Língua (2013), Retalhos (2009) e 5 solos portáteis (2008), criações do Teatro do Frio.

É docente de Movimento na ESMAE desde 2006.

Em 2015, integrou, a convite do Teatro Nacional S. João (TNSJ), o projecto da Gulbenkian 10×10 como artista tutora. Dessa experiência escreveu “Entre a epopeia e o vórtice”, texto que integra o livro “10×10 – Ensaios entre Arte e Educação” edições Gulbenkian, 2017.

CINEMA

2016 – O lugar que ocupas, de Pedro Filipe Marques
2016 – Sal, de Pedro Filipe Marques
2012 – Longe do Éden, de Carlos Amaral
2010 – Noite Sangrenta, de Tiago Guedes e Frederico Serra
2010 – O Coveiro, de André Gil Mata
2009 – A Vizinha, de Luís Manuel Almeida

VOZ

2008 - Tile jail the toilet tale, de João Rodrigues e Soetkin Verstegen
2006 - O Toque de Midas, da artista plástica Catarina Carneiro de Sousa
2005 - Calçada Portuguesa, instalação de Ângelo Sousa