ÂNGELA MARQUES

Curso de Interpretação da Seiva Trupe (1989), Licenciatura em Filosofia (2003), Mestrado em Estudos Literários, Culturais e Interartes (2010) na FLUP, Título de Especialista em Teatro - Interpretação no IPP (2014).

Participou em diversas oficinas: Voz, Commedia dell’arte, Máscara Neutra, Escrita Criativa, Dramaturgia e Estilos de Representação.

Estreou-se no Teatro em 1989 como actriz (Seiva Trupe, Teatro Experimental do Porto, Art'Imagem e Teatro do Bolhão, entre outros). Dobradora de desenhos animados e imagem real desde 1992, integrou a novela Morangos com Açúcar VI e participou nos filmes O Princípio da Incerteza de Manoel de Oliveira, Tebas de Rodrigo Areias e Encontradouro de Afonso Pimentel. Co-dirige a Associação Cultural Astro Fingido. Docente na ESMAE desde 2012.

ACTRIZ (Cinema e Televisão)

2000 “A Nuvem” de Carla Cabral e José Artur Matos (curta-metragem).

2001 “Ora Viva”, realização de Eduardo Gradim para a RTP (1 episódio).
“O Princípio da Incerteza” de Manoel de Oliveira.
2002 “O Olhar da Serpente” para NBP/SIC (1 episódio)
2004 “A Ferreirinha” realização de Pedro Paixão da Costa para a RTP.
2005 “Triângulo J” realização de Henrique Oliveira para a HOP/RTP.
“Tebas”, longa-metragem de Rodrigo Areias.
2008 “Morangos com Açúcar VI” (Filomena Barbosa) para a Plural/TVI.
2011 "Domesticada", curta-metragem de Rodrigo Areias e Paulo Furtado para Bando à Parte/Festival de Curtas Metragens de Vila do Conde.
2012 "CineSapiens", curta-metragem em 3D de Edgar Pêra para CEC Guimarães 2012.
2013 "A Ceia", curta-metragem de Duarte Guedes para Amanta.
"Um acentuado arrefecimento nocturno", curta-metragem de Saguenail e Regina Guimarães para Hélastre.
“Liberdade Condicional”, curta-metragem de Pedro Crispim.
“Myriad Truths - Mil e uma verdades”, curta-metragem de Raphael Madeira.
2014 "A Organização do Espaço" filme de Rodrigo Areias para Bando à Parte.
"Mulheres de Abril" realização de Henrique Oliveira para HOP/RTP (1 episódio).
"Napoleon" videoclip dos Glockenwise, direcção de Marco Martins.
“Encontradouro” de Afonso Pimentel para Douro Harvest Film Festival.
2015 “Marasmo”, curta-metragem de Gonçalo Loureiro.

 

ACTRIZ (Teatro)

1989 "O Assassino de Macário" de Camilo Castelo Branco, encenação de Júlio Cardoso na Seiva Trupe.

1990 Reposição de "O Assassino de Macário" em Maputo (Moçambique).
1991 "O Conde Barão" de Felix Bermudes, João Bastos e Ernesto Rodrigues, encenação de Norberto Barroca na Seiva Trupe.

1992 "Cabaré Valentin" de Karl Valentin, encenação de Claúdio Lucchesi/TEP.

"Cinco Movimentos a Duas Vozes" de Alcione Araújo, enc. de Claúdio Lucchesi/TEP.
1993 "Café Portugal" de Óscar Branco, encenação de Óscar Branco no grupo Atitudes.
"Flores de Estufa" de Nuno Júdice, encenação de Cândido Ferreira/TEP.
"A Escola de Dança" de Carlo Goldoni, encenação de Nino Mangano/TEP.
1994 "Frei Luís de Sousa" de Almeida Garrett, encenação de Acácio de Carvalho/TEP.
"A Força do Hábito" de Thomas Bernard, encenação de Rui Madeira/TEP.
"O Rei Tadinho" de Alice Vieira, encenação de Acácio de Carvalho/TEP.
1995 "Auto da India" de Gil Vicente, encenação de Acácio de Carvalho/TEP.
"Os Polícias" de Slawomir Mrozek, encenação de Helder Costa/TEP.
"Vanzetti" de Luis Araújo, encenação de Acácio de Carvalho/TEP.
"Papão e o Sonho" de José Jorge Letria, encenação de Gil Filipe/TEP.
1996 "Mauser" de Heiner Müller, encenação de Paulo Castro/TEP.
"A Pandilha" de Cândido Ferreira, encenação de Cândido Ferreira/TEP.
"No Reino da Bicharada" de Manuel António Pina, encenação de João Cardoso/TEP
1997 "Henriqueta Emília da Conceição" de Mário Claúdio, enc. de Celso Cleto/TEP.
"Comédia de Bastidores" de Alan Ayckbourn, encenação de João Cardoso/TEP.
1998 “Vermelhos, Negros e Ignorantes” de Edward Bond, encenação de Paulo Castro no Teatro Nacional de S. João.
“Coéforas” de Ésquilo, encenação de Paulo Castro para o CITEMOR.
1999 “Sexto Sentido”, encenação de Nuno Cardoso e Fernando Mora Ramos para Assédio/Dramat.
“De miragem em miragem se fez a viagem” de Carlos J. Pessoa, encenação de Nuno Cardoso para o FITEI.
2001 “A hora em que não sabíamos nada uns dos outros” de Peter Handke, encenação de José Wallenstein para o Teatro Nacional de S. João.
“O espantalho teso” de Jorge Louraço Figueira, encenação de Fernando Moreira para o Dramat/Tzero.
 “A Candidata Ideal” a partir de Javier Tomeo, enc. de Manuel Gama para Dois Pontos e Fundação para a Ciência e Desenvolvimento.
2003 “Nkaringana Wa, três personagens roubadas a Mia Couto” de Ângela Marques, Alberto Magassela e Fernando Moreira.
2004 “Pedro Sem, um portuense de maus fígados” (Teatro de Marionetas) de Fernando Moreira, encenação Raul Constante Pereira para Limite Zero.
 “Ratos e Homens” de J. Steinbeck, encenação de Fernando Moreira para Art’Imagem.
2005 “Separações” (em O Belo e Indiferente) de Jean Cocteau, encenação de Norberto Barroca e direcção de actores de Clara Joana para o TEP.
 “Os canhões de Nabarone” de Fernando Moreira e José Carretas para a Panmixia.
Reposição de “Ratos e Homens” no Brasil (S. Paulo, Rio de Janeiro e Salvador da Bahia) e no Porto (Teatro Rivoli).
2006 “Babine, o Parvo” de Leão Tolstoi, encenação de José Leitão para o Teatro Art’Imagem.
“Estórias do Dia e da Noite” (marionetas e sombras) de Jorge Constante Pereira, encenação de Raul Constante Pereira para a associação cultural Limite Zero.
Reposição de “Ratos e Homens” em Cabo Verde, no Festival Mindelact.
“Homem sem cara” texto e encenação de Fernando Moreira para o Teatro Art’Imagem.
2007 “A um dia do paraíso” texto e encenação de José Carretas para a Panmixia.
“Chavela Vargas” de Filipe e Pedro Pinto, enc. de Luísa Pinto na Câmara Municipal de Matosinhos.
“Fulgor e Morte de Joaquín Murieta” de Pablo Neruda, encenação de Roberto Merino para Teatro Art’Imagem/TNSJ.
“O Aniversário do Pipo” de Fernando Moreira para a Limite Zero.
“Um Mistério de Visita” de Fernando Moreira na Limite Zero para a Fundação Ciência e Desenvolvimento/Teatro do Campo Alegre (SE).
2008 “Falha de Cálculo” texto de Margarida Fonseca Santos, encenação de Carlos António para a Seiva Trupe / Teatro Campo Alegre.
“Eclipse Total” de Christopher Hampton, encenação de Norberto Barroca para o TEP/Auditório Municipal de Gaia.
2009 “Sonhos & Miminhos” para a Astro Fingido, associação cultural.
“Otelo” de William Shakespeare, encenação de Kuniaki Ida para o Teatro do Bolhão.
“Uma Família Inglesa” de Julio Dinis (adaptação de Jorge Marmelo), leitura encenada para o Serv. Educativo do Teatro do Campo Alegre/Quintas de Leitura.

2010 “Romeu e Julieta” de Shakespeare, adaptação e encenação de Eduardo Alonso para Teatro do Bolhão/Centro Dramático de Viana.

“A Beleza do Pecado” (A nossa necessidade de consolo é impossível de satisfazer de Stig Dagerman), encenação de Fernando Moreira para Teatro Art’Imagem.
“Jornada para a noite” de Eugene O’Neill, encenação de Nuno Cardoso/TEP.
2011 “Macbeth” de Shakespeare, encenação de Marcos Barbosa para Teatro Oficina – Guimarães.
“O Grito dos Pavões” encenação de Fernando Moreira para Astro Fingido.
2012 “Felizmente há luar” de Luís de Sttau Monteiro, enc. de António Júlio/TEP.
“Um dia com ela” (teatro físico), encenação de John Mowat para Astro Fingido.
2013 "As Relações de Clara" de Dea Loher, encenação de Luís Varela para TEP.
2014 "O rapto do repórter X" de Óscar Branco para Atitudes.

Facebook share